Fundação Telefônica Vivo lança primeira edição do estudo Sociedade Digital na América Latina

A Fundação Telefônica Vivo acaba de lançar o relatório Sociedade Digital na América Latina 2020-2021, que analisa a transformação digital na região. O trabalho leva em consideração aspectos como o desenvolvimento da infraestrutura de telecomunicações e as políticas necessárias para garantir sua implantação, assim como a importância da tecnologia para dinamizar a economia, além de questões relacionadas à educação digital, mudanças no mercado de trabalho, lacunas digitais, e a necessidade de um marco regulatório que favoreça a igualdade de oportunidades para os agentes envolvidos no ecossistema digital. A iniciativa já existe há mais de 20 anos na Espanha, liderada pela Fundação Telefónica (global) e, pela primeira vez, é publicada com recorte América Latina, com o desafio de refletir a diversidade que caracteriza a região.

O relatório analisa a situação global do continente, seus desafios e suas oportunidades comuns e apresenta a evolução da sociedade digital de cada país e traça a imagem inicial de um subcontinente que, por um lado, sofreu de forma particularmente intensa os efeitos da pandemia de Covid-19 e, por outro, sentiu a necessidade de aprofundar seu processo de digitalização. O estudo completo já está disponível gratuitamente, em português, no Acervo do site da Fundação Telefônica Vivo, que traz a publicação ao país, em linha com sua atuação há 23 anos no Brasil.

Uma lição que se pode tirar desta fase é que uma sociedade digitalizada é muito mais resiliente em situações de crise. E no caso de países emergentes, como os da América Latina, a transformação digital representa uma oportunidade de remodelar a economia. No entanto, a digitalização também lança desafios e levanta debates relacionados à desinformação e à proteção dos direitos humanos. Precisamos garantir o uso ético da tecnologia dentro de uma estrutura de valores humanistas, protegendo a privacidade e os direitos digitais, a fim de garantir o sucesso de uma transição que não deixe ninguém para trás.

Além disso, um dos maiores desafios que enfrentamos, e que descreve o relatório, é a desigualdade social, que pode ser agravada em grupos com acesso limitado à conectividade e à tecnologia. Para superar esse problema, é fundamental reforçar as competências digitais da população. Demonstrou-se que as competências e habilidades associadas às novas tecnologias constituem poderoso fator de inclusão social e tornaram-se necessárias em todas as áreas da vida: para estudar e trabalhar, para se relacionar com a administração pública ou para aproveitar o lazer.

Os países latino-americanos, há muito tempo, sabem quais são as vantagens do uso da tecnologia nos processos de ensino e desenvolveram inúmeras políticas para a expansão das tecnologias digitais no setor educacional. Apesar de todos esses esforços, ainda existem vários obstáculos para que os alunos latino-americanos se beneficiem plenamente das vantagens que a educação digital proporciona. De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), embora a falta de conectividade seja uma das principais barreiras, existem outras, como a falta de habilidades e competências digitais ou dificuldades relacionadas à segurança e acessibilidade.

Convicta de que a educação é a principal alavanca para combater a exclusão social, a Fundação Telefónica trabalha continuamente no estímulo à formação digital e à empregabilidade na América Latina, especialmente entre os setores mais desfavorecidos. O desenvolvimento de competências é uma necessidade urgente também no Brasil e que a Fundação Telefônica Vivo atua fortemente, apoiando a digitalização da educação pública, com foco tanto nos educadores quantos nos estudantes. Integrante de movimentos e coalizações sociais que discutem estratégias e agendas para implementação de uma educação mais digital, a Fundação oferece cursos à distância e gratuitos de formação continuada para qualificar educadores a desenvolverem práticas pedagógicas inovadoras, além de recursos qualificados de aprendizagem. Por meio de cursos de formação online, alinhados à Base Nacional Comum Curricular (BNCC), impactou mais 58 mil educadores em 2021.

A transformação digital exige cada vez mais que crianças e adolescentes estejam aptos a utilizar elementos da tecnologia de maneira crítica e a favor da sociedade, tendo a compreensão de todas as suas potencialidades e impacto, o que torna o ambiente escolar um aliado para o desenvolvimento de competências digitais nos estudantes. Por isso, a Fundação promove também itinerários formativos, como o de Ciência de Dados que está presente em escolas regulares, técnicas e centros de educação profissional, apoiando assim a implementação do Novo Ensino Médio.

A crise provocada pela pandemia de COVID-19 e a consequente limitação de treinamentos presenciais evidenciam a importância que a internet e as tecnologias de comunicação ganham como meios para garantir a continuidade do processo de ensino e aprendizagem. Os países da América Latina devem fazer um esforço maior para eliminar as lacunas digitais entre os alunos e garantir a conectividade e o desenvolvimento de habilidades e competências. “O modelo de educação do país não é digital e a pandemia nos evidenciou isso de forma ainda mais clara. Nesse contexto, a transformação digital que acreditamos exige que o ambiente escolar seja peça fundamental no desenvolvimento de competências de crianças e adolescentes”, explica Americo Mattar, diretor-presidente da Fundação Telefônica Vivo. “Não há dúvidas da relevância da conexão mas, enquanto as políticas públicas focarem apenas na infraestrutura de internet em vez do desenvolvimento de competências digitais e novas práticas pedagógicas, não estaremos preparando os jovens para as exigências da sociedade”, conclui.

Quanto trata-se de futuro, o relatório destaca que a inteligência artificial continuará se desenvolvendo, que as máquinas aprenderão cada vez melhor e que a automação dos processos industriais modificará radicalmente o mercado de trabalho. A principal questão é como fazer com que essa transformação ajude a melhorar a vida das pessoas na América Latina e como agir para tornar a digitalização inclusiva, justa e sustentável. Isso exigirá o compromisso das instituições sociais, econômicas e democráticas, bem como uma colaboração mais intensa entre os setores público e privado.

Entre todas as conclusões do relatório Sociedade Digital Latam, a que melhor resume a situação global é, sem dúvida, que “a recuperação da crise provocada pela pandemia de COVID-19 será digital”. Na América Latina, segundo o BID, um aumento médio de 10% na penetração de banda larga nos países da região pode causar um aumento de 3,19% do produto interno bruto e de 2,61% da produtividade, o que contribuiria para a criação de 67 mil empregos diretos. A Agenda Digital para a América Latina e o Caribe (eLAC) é uma estratégia voltada para 2022 que propõe o uso de tecnologias digitais como instrumentos de desenvolvimento sustentável. Um de seus objetivos é incentivar a governança digital na região. Além da necessidade de investimento em infraestruturas e sistemas, um dos grandes obstáculos para o desenvolvimento da governança digital na América Latina é a falta de formação digital do capital humano. Vale destacar também que , de todos os segmentos do tecido empresarial, as micro, pequenas e médias empresas (MPME) são as empresas menos desenvolvidas em digitalização. Esse é um processo fundamental que melhora sua posição competitiva.

A publicação mostra, ainda, que a promoção da sociedade digital no Brasil vem sendo liderada pela iniciativa privada, que tem feito um enorme esforço para promover a conectividade em todo o país. Diversos programas públicos complementam a ação das operadoras de telecomunicações como Wi-Fi Brasil, Digitalizar Brasil, Computadores para Inclusão, Norte Conectado, Estratégia Brasileira para Redes 5G, Cidades Digitais, Estratégia de Governança Digital 2018-2022, entre outros. Iniciativas públicas como o Bolsa Conexão (Lei 14.172/2021), o Programa Internet Brasil (MP 1.077/2021) e o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações – FUST (Lei 14.109/2020), ainda focam na conectividade e na disponibilidade de infraestrutura e equipamentos para escolas públicas. São esforços importantes, especialmente diante da exigência dos editais do 5G de estender a conexão à internet de alta velocidade a todas essas unidades de ensino até 2024.

Acesse o relatório completo aqui.

#Abramark, #Vivo

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

A Abramark – Academia Brasileira de Marketing é uma iniciativa e propriedade intelectual do MadiaMundoMarketing, idealizada no final dos anos 1990, institucionalizada em março de 2004 e que tem como missão instituir e disseminar a melhor cultura e práticas da Administração Moderna e de sua ideologia, o Marketing, no ambiente corporativo brasileiro, conforme os ensinamentos de Peter Ferdinand Drucker.

CONTATO

Entre em contato com nosso time clicando em um de nossos canais abaixo:

11 3231-2339

Rua Aracaju, 225 – 9º andar
Higienópolis – São Paulo – SP
CEP 01240-030

NewsLetter

Fique ligado no que acontece no mundo do Marketing e receba em primeira mão, notícias, acontecimentos e muito mais…

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Direitos reservados © 2021-2022. Em conformidade com a LGPD.

Gestão e desenvolvimento de Projetos Digitais

Pesquisa

Pesquise abaixo conteúdos e matérias dentro da ABRAMARK

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore

Receba notícias em primeira mão

Coloque seu email abaixo

Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!

Somos contra SPAMs e mensagens não autorizadas